Golfinho bebé em vias de extinção morre após turistas o terem arrancado do oceano para tirar selfies

Um golfinho bebé morreu após ter sido apanhado por banhistas que o usaram para tirar fotos numa praia lotada de turistas.

A pequena fêmea, ainda em idade de amamentação, perdeu a mãe e ficou encalhada em águas rasas na costa sul de Espanha.

Turistas insensíveis puxaram a pequena cria do mar, acariciaram-na e usaram-a para selfies. Protectores da fauna marinha correram para o local, mas o golfinho já estava morto quando chegaram.

  • Turistas no sul de Espanha descobriram o bebé golfinho que havia perdido a sua mãe
  • Em vez de alertarem as autoridades, reuniram-se para tirar selfies
  • Quando as autoridades chegaram ao local, o animal já havia falecido devido ao enorme stress a que foi sujeito
  • As equipes de resgate criticaram o ‘egoísmo’ dos turistas obcecados por tirar fotos
Um golfinho bebé morreu na costa sul de Espanha depois de se ter separado da sua mãe e foi encontrado por turistas que o aproveitaram para as selfies ao invés de chamarem os socorristas (na foto, os turistas posam com o animal ferido)
No momento em que os socorristas de animais chegaram ao local, 15 minutos depois de o golfinho ser visto pela primeira vez, o animal já havia morrido de insuficiência cardíaca e pulmonar causada pelo stress (na foto, os socorristas carregam o golfinho, já morto).

O Equinac, um grupo que protege a fauna marinha na área, relatou o incidente na sua página no Facebook e criticou os banhistas por serem tão “obcecados” em tirar fotografias.

Eles disseram: “Os humanos são o animal mais irracional que existe. Muitas pessoas são incapazes de sentir empatia por um ser vivo que está assustado, faminto, sem a sua mãe e aterrorizado.”

“Com o seu egoísmo, tudo o que querem é fotografar e tocar, mesmo que o animal esteja a sofrer.”

O incidente aconteceu há poucos dias numa praia em Mojacar, um resort à beira-mar, muito popular entre expatriados britânicos e turistas na província de Almería.

Um porta-voz da Equinac disse que centenas de banhistas correram em direção ao animal, desesperados por um vislumbre ou uma foto.

Ele disse que o salva-vidas da praia “perdeu a coragem quando viu centenas de pessoas correndo em direção ao animal”. Especialistas da Equinac chegaram 15 minutos depois, mas o animal já estava morto.

O grupo acrescentou: ‘O animal foi sucumbiu submetido à curiosidade de quem quisesse fotografá-lo e tocá-lo.

As equipes de resgate (foto segurando o golfinho) disseram que os turistas não tinham responsáveis ​​por separar o golfinho da sua mãe, mas deveriam ter deixado o animal sozinho e sossegado.
O incidente aconteceu há poucos dias numa praia em Mojacar, uma estância balnear popular entre expatriados britânicos e turistas na província de Almería (arquivo)

As fotografias mostravam crianças tocando o animal, involuntariamente cobrindo o espiráculo, o orifício respiratório pelo qual os golfinhos respiram.

“Não é um animal para crianças ou adultos acariciarem.”

Os cetáceos são muito susceptíveis ao stress, e a aglomeração em torno dele para tirar fotos e tocá-lo causa um grande choque que acelera enormemente uma falha cardiorrespiratória, que foi o que aconteceu.

“Não estamos a dizer que os banhistas foram responsáveis ​​por o animal ter ficado encalhado. Ficou encalhado porque estava doente ou porque perdeu a mãe, sem a qual não pode sobreviver nesta idade.”

“Mas a aglomeração em torno dele para o fotografar e acariciar, é claro, fez com que o animal ficasse extremamente stressado.”

O grupo disse que os banhistas deveriam ter chamado os serviços de emergência.

Eles acrescentaram: “Talvez não tivéssemos sido capazes de salvá-lo, mas teríamos tentado”.

As pessoas têm de aprender que os animais também são seres vivos como nós

Um porta-voz da Peta acrescentou: “Na ânsia por uma nova ‘selfie’, estes turistas mostraram um desprezo ingénuo – e finalmente fatal – pela vida, ao transportarem este golfinho bebé para fora do mar, onde ele ou ela pertencia. Só podemos imaginar o trauma sofrido não apenas por este animal, que foi passado de mão em mão como um brinquedo por turistas saqueadores, mas também pela sua mãe, que certamente o deve ter procurado, incansável e desesperadamente“.

A crueldade animal tem de acabar. A caça furtiva não é a única maneira de cometer crimes contra animais. Transportar um filhote frágil para fora da água para tirar fotos é um ato puramente perverso. Eles não imaginavam que não sobreviveria por muito tempo fora de seu habitat natural. A desumanidade continuou mesmo depois de tirarem fotos com o animal. Por que eles não o colocaram de volta na água? Por que motivo o deixaram na areia para morrer assim?

Os seres humanos são os únicos que colocam em risco a terra e os seus ecossistemas naturais.